Sensor de fadiga: monitore o comportamento do condutor e evite acidentes

Sensor de fadiga: monitore o comportamento do condutor e evite acidentes

Uma tecnologia essencial para uma operação de transporte segura, o sensor de fadiga ainda pouco utilizado por alguns operadores logísticos atuantes no mercado, fornece uma segurança a mais para o transportador, motorista e contratante do transporte. 
 
Tecnologia já utilizada em algumas de nossas operações, no artigo abaixo, iremos abordar como funciona esse recurso, e a importância de agregá-la em operações de transporte a granel dedicadas. 

O que é um Sensor de Fadiga no transporte rodoviário? 

Podemos dizer, que um sensor de fadiga é composto por três componentes. 
Sendo eles:  

  1. Módulo de processamento com software integrado;  
  2. Câmera interna com sensor de infravermelho e; 
  3. Dispositivo de áudio para comunicações remotas e imediatas. 

 
O módulo de processamento, através de informações geradas pela câmera, armazena e define padrões de comportamento do condutor durante a direção. Esses padrões, determinarão diretrizes de segurança que deverão ser respeitadas. O software por sua vez, recebe dados de calibragem obtidos através de aplicações de testes lúdicos, entrevistas psicológicas e médicas realizadas individualmente, que definirão aspectos e comportamentos do condutor relacionados a fadiga. 

Para que serve o sensor de fadiga nas operações de transporte a granel?  

Nas operações de transporte a granel, o sensor de fadiga, auxilia o operador logístico a identificar em tempo real, através de um software com uma inteligência integrada, perfis comportamentais de direção de cada condutor.  
Após a definição do perfil do condutor, o computador embarcado no veículo, identifica comportamentos de risco, traçando características pessoais que demonstrem níveis fora do perfil padrão identificado anteriormente.  
 
Estes níveis de alertas comportamentais, são divididos em três estágios de atenção, sendo eles, primário, moderado e grave: 

Primário: Entende-se como evento onde o condutor por exemplo, comete bocejos involuntários. 

Moderado: São eventos somados, onde a análise é feita através de bocejos e frequência do piscar de olhos. 

Grave: Além dos mencionados acima, considera-se o tempo entre o abrir e fechar dos olhos, indícios de cochilo. (Perfil traçado anteriormente) 

Todos estes níveis mencionados acima, quando identificados, passam também por um moderador especializado (profissional de saúde ocupacional) que avalia os alertas individualmente. 

Feita essa avaliação, esse moderador, emitirá avisos e realizará interações com o condutor e operador logístico, conforme gravidade identificada no comportamento do condutor na direção.  

Esse moderador também fornecerá ao operador logístico, resumos diários para melhoria contínua, para apresentação e educação de novos condutores. 

Quais as vantagens de usar sensores de fadiga em suas operações de transporte? 

  1. Percepção precisa da qualidade da saúde do condutor, principalmente em seu nível de qualidade de descanso e sono, fatores que impactam diretamente em sua percepção de risco e tempo de reação as adversidades em trânsito. 
  2. Intervenções imediatas e eficazes, como por exemplo a interrupção de uma viagem e orientações ao condutor. 
  3. Prevenção de acidentes ocasionados comprovadamente por fadiga dos condutores. 
  4. Identificação do cronotipo do condutor (ciclo fisiológico de aproximadamente 24 horas), isso auxiliará o operador logístico no planejamento e distribuição de viagens, de modo que será possível, identificar melhor período de produtividade do motorista. Esse condutor, deverá ser direcionado às viagens em seu melhor período de produtividade, resultando em expressivas reduções de alertas de fadiga.  

Nas operações de transporte da Transportadora Contatto, essa tecnologia pode ser contratada em operações dedicadas ou em caráter de contrato, de acordo com a necessidade de cada operação e cliente. 

 

Autores (08/2022): Cristiano Moura – Supervisor Torre de Controle (Contatto); Victória Britto – Analista SSMA (Contatto); Renato Barbosa - Técnico de Segurança QSSMA (Contatto); Juliana Moraes da Silva – Analista SDR (Contatto). 

Quero saber mais

Você pode se interessar por:

O que é Telemetria? Contatto

O que é Telemetria?

Empresas que contratam serviços de transporte a granel, para venda ou transferência de produtos,...

Leia Mais
Acidentes com produtos perigosos: de quem é a responsabilidade? Contatto

Consequências para empresa contratante caso ocorra um acidente com carga perigosa

Uma preocupação constante para os fabricantes, distribuidores e transportadoras de cargas perigosas, é que...

Leia Mais
Isotanque: solução de transporte multimodal Contatto

Isotanque: solução de transporte multimodal

Como falamos em nossa matéria isotanque: do transporte a armazenagem de produtos, os isotanques...

Leia Mais
Produtos químicos líquidos a granel: em qual carreta transportar? Contatto

Produtos químicos líquidos a granel: em qual carreta transportar?

Você sabia que carretas tanques podem ter configurações diferentes? O transporte rodoviário de líquidos...

Leia Mais

ESSE SITE USA COOKIES
Nós armazenamos dados de acesso temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação. Ao navegar por nosso site, concorda com nossa Política de Privacidade.